Transformação digital e os desafios de lidar com a diversidade para ter sucesso no mercado moderno

Rejuvenescimento íntimo feminino pode melhorar a saúde, aumentar a autoestima e o prazer da mulher
10/09/2019
Brotas Eco Resort
Dia das Crianças com 15% de desconto: Brotas Eco Resort tem programação com piquenique, matinê e contação de história
12/09/2019

Cloud computing, mobilidade, realidade aumentada, IoT, big data, Machine Learning são alguns termos com que os empresários precisam estar antenados atualmente. Isso porque, mesmo com um cenário econômico e político instáveis, a transformação digital das empresas está a todo vapor no Brasil. E não é para menos. O mercado já percebeu que este é um ponto sensível e pode ser decisivo para o sucesso das organizações.

Segundo previsão do IDC, a transformação digital no Brasil deve crescer 5,8% em 2018 em comparação com o ano anterior. Além disso, no segundo semestre de 2017, a Secretaria de Política de Informática do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações promoveu um debate público para elaborar a Estratégia Brasileira para a Transformação Digital. Esta movimentação aponta a importância de os executivos pensarem a transformação digital quase como determinante para o crescimento no mercado atual.

De acordo com a pesquisa realizada pela consultoria Capgemini Brasil, a revolução está sendo pautada pelo uso das tecnologias para que as corporações entendam melhor o mercado e seus clientes. Dentre os entrevistados para o estudo, 63% afirmaram usar a internet de forma geral ou significativa para esse fim, 57% as redes sociais e 53% os serviços móveis, o que indica que a adoção de uma abordagem omnichannel tem sido importante para as estratégias de negócios.

“Com base em entrevistas realizadas com 150 executivos de alto nível (C-level) de empresas brasileiras de uma ampla gama de setores, incluindo varejo, bens de consumo, bancos e companhias de seguros, a pesquisa identificou que a pressão de novos entrantes no mercado, bem como os níveis de maturidade digital já existentes, afetam a velocidade da transformação digital dentro das organizações. Contudo, aqueles que superarem estes obstáculos, tornando-se mais maduros digitalmente, colherão resultados relevantes”, afirma Rodrigo Corumba, vice-presidente da Capgemini Brasil.

Outro ponto importante revelado pela pesquisa é o fato de que menos da metade das empresas empregam a análise de dados de forma significativa: 46% a adotaram para orientar o marketing de forma mais eficiente e 44% para otimizar os preços. Embora a tecnologia digital seja usada, principalmente, como uma ferramenta de comunicação com o cliente, ela ainda não é explorada em todo seu potencial de segmentação e personalização de conteúdo.

A transformação digital é um tema que deve, urgentemente, entrar para a agenda das organizações. Hoje, os executivos precisam levar a discussão da transformação digital para as reuniões, com objetivo de discutir não só as mudanças estruturais e estratégias de ampliação de negócios, mas também para planejar estrategicamente a mudança no mind setting dos colaboradores.

A reboque da transformação digital, também temos uma transformação no comportamento dos colaboradores e os executivos precisam estar abertos a isso. Questões como diversidade, perfis de tribos sociais, novas formas de se vestir, precisam ser consideradas com mais flexibilidade. Trata-se de compreender os novos ambientes e formas de se trabalhar, e as empresas mais avançadas neste sentido estão colhendo bons resultados.

O grande desafio das corporações hoje é justamente superar os paradigmas tradicionais de trabalho e, com isso, aproveitar ao máximo os talentos de uma juventude hiperconectada e diversa, mas que está extremamente antenada com a transformação digital que estamos vivendo e da qual depende o sucesso das nossas organizações.

Sobre Giovana Vieira

Com uma carreira sólida de quase três décadas no mercado corporativo, Giovana Vieira é autora do livro “Ferramentas para Obter Sucesso no Comércio Eletrônico B2B”, mestra em gestão de negócios pela FIA (Fundação Instituto de Administração), da USP (Universidade de São Paulo), professora universitária e palestrante.